Notícias e Dicas

Doença mão-pé-boca está se espalhando em creches e escolas. O que é essa virose?

Terça, 06 Março 2018

Nas últimas semanas, o Hospital Vale do Araguaia vem recebendo muitas crianças com febre, lesões na boca, mãos, pés e nadegas, informa a Drª Jaqueline Dias, Médica Clínica Geral e Pós graduada em Emergência.  Segundo ela, não se tem ouvido falar desta virose, mas o fato é que há um alerta para que os pais estejam atentos à ela. Trata-se da doença conhecida como “ Doença mão pé boca ” (HFMD, sigla em inglês), uma virose bastante contagiosa, provocada pelos sorotipos do Vírus Coxsackie.

Este vírus normalmente habita nosso sistema digestivo e pode provocar sintoma como estomatite. O alerta para os pais de crianças em creches e pré-escola é que o vírus costuma atacar o organismo de crianças a partir dos 6 meses até 5 anos. Apesar de que, outras idades da infância e adultos também podem se infectar e transmitir a virose.

Os sintomas incluem febre, dor de cabeça e falta do apetite, lesões aftosas na boca com sialorreia Há, também, garganta inflamada com essas lesões.  Mas a característica principal da doença é o desenvolvimento de muita coceira com bolhas muito pequenas nas mãos e nos pés. O prurido dói quando pressionado ou tocado.

Todo cuidado é pouco, pois o vírus encontra facilmente um caminho para infectar as crianças através de secreções das vias respiratórias, secreções das feridas das mãos ou dos pés e pelo contato com fezes dos pacientes infectados. Isso quer dizer que beijinhos, contato com catarro, dividir copo, brinquedos, roupas e objetos, por exemplo.

O vírus costuma contaminar na primeira semana, quando ainda está em um período de incubação, que leva de 3 a 7 dias. Os pais se quer sabem que o filho está contaminado quando, ele mesmo já está espalhando a doença nos amiguinhos.

Não há vacina para essa virose e nem um tratamento especifico, mas tratamento dos sintomas que incomodam a criança. Normalmente, assim como ocorre com outras infecções virais, ela tende a regredir de forma espontânea. A melhor forma de evitar a doença é intensificar a higiene do seu filho. Lavar sempre as mãos ao contato com locais públicos. Tomar um bom banho ao chegar da escola ou da creche trocando sempre de roupa.

Fonte: Diariodebiologia.com.br