Notícias e Dicas

Hanseníase (Lepra): o que é, sintomas e tratamentos

Domingo, 27 Janeiro 2019

 

Hoje, 27 de janeiro, é o Dia Mundial de Combate à Hanseníase.

Mas o que é a Hanseníase?

A hanseníase, conhecida também como lepra, é uma doença infecto-contagiosa causada por uma bactéria denominada Mycobacterium leprae. A hanseníase não é hereditária e sua evolução depende de características do sistema imunológico da pessoa que foi infectada. A doença costuma evoluir lentamente e pode levar até 20 anos para que sinais e sintomas da infecção sejam detectados. (1,2)

A doença atinge pele e nervos periféricos podendo levar a sérias incapacidades físicas. O alto potencial incapacitante da hanseníase está diretamente relacionado ao poder imunogênico do M. leprae.

A hanseníase é uma doença de notificação compulsória em todo o território nacional e demanda avaliação dos contatantes intra-domiciliares. A notificação é feita pelo médico-assistente no Sistema de Informação de Agravos de Notificação/Investigação.

Atualmente, em todo o mundo, o tratamento é oferecido gratuitamente, visando que a lepra deixe de ser um problema de saúde pública. Atualmente, os países com maior detecção de casos são os menos desenvolvidos ou com superpopulação. Em 2016, o Ministério da Saúde registrou no Brasil mais de 28.000 casos novos da doença.

Transmissão

A transmissão do M. leprae ainda não está completamente esclarecida. A transmissão se dá provavelmente por via respiratória, por meio de convivência muito próxima e prolongada com indivíduo que apresente a forma multibacilar. A transmissão ocorre mais provavelmente por contato com secreção nasal de nariz de indivíduos doentes que apresentem a forma lepromatosa (multibacilar), que não esteja sob tratamento, pois nesses indivíduos há uma grande quantidade de bacilos na secreção nasal. Tocar a pele do paciente não representa risco significativo de transmissão da hanseníase. Cerca de 90% da população têm defesa contra a doença. O período de incubação (tempo entre a aquisição da doença e da manifestação dos sinais e sintomas) varia de seis meses a cinco anos. A maneira como ela se manifesta varia de acordo com a genética de cada pessoa.

Tipos

Podemos classificar a doença em hanseníase paucibacilar, com poucos ou nenhum bacilo nos exames, ou multibacilar, com muitos bacilos. A forma multibacilar não tratada possui potencial de transmissão. A hanseníase pode se apresentar como manchas mais claras, vermelhas ou mais escuras, que são pouco visíveis e com limites imprecisos, com alteração da sensibilidade no local associado à perda de pelos e ausência de transpiração. Quando o nervo de uma área é afetado, surgem dormência, perda de tônus muscular e retrações dos dedos, com desenvolvimento de incapacidades físicas. Nas fases agudas, podem aparecer caroços (nódulos) e/ou inchaços (edema) nas partes mais frias do corpo, como orelhas, mãos, cotovelos e pés. (5,6)

Causas

A hanseníase é uma doença contagiosa que em 1941 teve sua primeira classificação. A doença possui longa evolução (de 2 a 10 anos) e é provocada por um bacilo intracelular - M. leprae - que atinge principalmente pele e nervos. O homem é o principal reservatório natural do bacilo, mas também pode ser encontrado em esquilos, macacos e principalmente tatus. Sua principal forma de transmissão é a respiratória.

Fatores de risco

A hanseníase pode atingir pessoas de todas as idades, contudo é a incidência é maior em homens. Como a doença demora para se manifestar é comum que só nos adultos os sinais e sintomas sejam observados, mas normalmente a hanseníase é adquirida ainda na infância. (1)

Os principais fatores de risco da hanseníase são:

  • Hábitos de higiene precários (particularmente quanto à lavagem das mãos)
  • Contato com indivíduos sem tratamento e que apresentem a forma multibacilar da doença.

Sintomas de Hanseníase

Os sintomas da hanseníase incluem:

  • Sensação de formigamento
  • Fisgadas ou dormência nas extremidades
  • Manchas brancas ou avermelhadas na pele
  • Perda da sensibilidade ao calor, frio, dor e tato
  • Áreas da pele aparentemente normais que têm alteração da sensibilidade e da secreção de suor
  • Nódulos e placas em qualquer local do corpo.

Se não for tratada, os sinais da hanseníase avançada podem incluir:

  • Diminuição da força muscular (dificuldade para segurar objetos)
  • Paralisia das mãos e pés
  • Encurtamento dos dedos devido à lesão dos nervos que controlam os músculos
  • Úlceras crônicas na sola dos pés
  • Cegueira
  • Perda de sobrancelhas
  • Edema do nariz e orelhas (inchaço).

Buscando ajuda médica

Fique atento aos sintomas. Os principais da lepra são: sensação de formigamento, dormência nas extremidades, manchas brancas e perda de sensibilidade da pele na área das manchas. Se eles persistirem, procure um especialista e explique a ele o que está sentindo. Aproveite e tire todas as suas dúvidas.

Hanseníase tem cura?

A hanseníase tem cura. A cura é mais fácil e rápida quanto mais precoce for o diagnóstico.