Notícias e Dicas

Riscos da automedicação e a importância da consulta médica

Terça, 01 Fevereiro 2022

 

Graças aos avanços na medicina, é possível identificar e tratar várias doenças com muito mais facilidade hoje em dia. Porém, esse benefício também trouxe certos riscos na automedicação, já que muitas das substâncias usadas em remédios podem ser nocivas quando ingeridas na quantidade errada.

Apesar disso, um grande número de pessoas continua se automedicando todos os dias. Seja por não entenderem os riscos ou por ignorá-los. Acompanhe e entenda melhor o assunto.

Por que algumas pessoas optam pela automedicação?

Apesar dos riscos, ainda há muitas pessoas que preferem a automedicação ao invés de ir ao médico. Algumas das principais razões são:

1. Falta de informação

Em muitos casos, o único contato de uma pessoa com diferentes remédios é uma propaganda ou uma simples leitura da caixa do produto, sem levar em conta seus efeitos colaterais. A falta de informação pode fazer um remédio parecer mais seguro do que realmente é.

2. Falta de tempo/paciência

Também há muitos casos de pessoas que não querem ir ao médico antes de se tratarem ou que não têm tempo adequado para uma consulta. Pode ser que falte infraestrutura de atendimento em sua localidade, o que deixaria a consulta muito mais demorada.

3. Acesso irrestrito

Por fim, há locais em que medicamentos controlados são vendidos sem exigir uma receita. Naturalmente, esses são os casos de maior risco, pois substâncias controladas podem ter um impacto muito grande no funcionamento do corpo.

Quais são os principais riscos da automedicação?

Tomar remédios sem prescrição pode ter vários efeitos adversos na sua saúde. Alguns dos principais deles são:

1. Alergia a certos medicamentos

Uma coisa que o médico confere antes de receitar qualquer medicamento é a lista de alergias do paciente. Ingerir um remédio que contenha alguma substância à qual a pessoa é alérgica pode gerar uma reação muito mais grave no corpo, além de anular o efeito desejado da medicação. Em casos mais graves, pode levar à internação.

2. Atraso do diagnóstico médico

Mesmo que a automedicação não gere nenhum sintoma ou efeito colateral imediato, ela ainda causa uma demora maior no diagnóstico. Muitas doenças graves podem ter sintomas amenos inicialmente. Mesmo sendo possível controlar os sintomas com medicação simples, mas se não for feito um exame para confirmar cada caso, há o risco de a doença se desenvolver.

3. Tratamento insuficiente ou excessivo

Outro fator que aumenta os riscos da automedicação é o tempo de consumo dos medicamentos. A maioria das pessoas só continua um tratamento até que os sintomas mais aparentes sejam neutralizados, não pelo tempo correto para remover a doença. Em outros casos, os pacientes podem continuar tomando a medicação, mesmo depois de ficarem saudáveis, o que causa outros riscos para o corpo.

4. Complicações de saúde

Escolher o medicamento errado para tratar uma doença pode ter o efeito oposto no processo de tratamento. Ao invés de amenizar os sintomas, pode gerar novos ou tornar os já existentes mais graves. Algo especialmente comum com medicamentos mais pesados, que podem sobrecarregar os rins, por exemplo.

Para evitar qualquer um desses riscos, o melhor a fazer é agendar uma consulta médica o quanto antes. Entre em contato conosco e agende sua visita agora mesmo.